Voyeurismo: relato de caso

Autores

  • Manuela Teixeira Schorr Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HPCA), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS. Instituto Psiquiátrico Forense Doutor Maurício Cardoso, Porto Alegre, RS.
  • Renata Ramos Reichelt Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HPCA), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS. Instituto Psiquiátrico Forense Doutor Maurício Cardoso, Porto Alegre, RS.
  • Allan Maia Andrade de Souza Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HPCA), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS. Instituto Psiquiátrico Forense Doutor Maurício Cardoso, Porto Alegre, RS.
  • Bruno José de Menezes Aragão Secretaria Municipal de Saúde de Sobral, Sobral, CE.
  • Andrei Garziera Valério Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HPCA), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS. Instituto Psiquiátrico Forense Doutor Maurício Cardoso, Porto Alegre, RS.
  • Lisieux Elaine de Borba Telles Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HPCA), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS. Instituto Psiquiátrico Forense Doutor Maurício Cardoso, Porto Alegre, RS.

DOI:

https://doi.org/10.25118/2763-9037.2017.v7.72

Palavras-chave:

Voyeurismo, transtornos parafílicos, psiquiatria forense

Resumo

O voyeurismo é definido como excitação sexual recorrente e intensa ao observar uma pessoa que ignora estar sendo observada e que está nua, despindo-se ou em meio a atividade sexual. Sabe-se que é um transtorno mais comum em homens jovens de baixa condição socioeconômica e que o interesse voyeur costuma surgir ainda na adolescência. Ainda que sua prevalência estimada seja de 4 a 12% da população geral, até hoje persiste como um fenômeno pouco estudado. A fim de ilustrar e compreender esse desvio do comportamento sexual, relatamos o caso de um paciente com transtorno voyeurista submetido a avaliação pericial de imputabilidade penal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Krafft-Ebing R. Psychopathia sexualis with special reference to contrary sexual instinct. A medicolegal study. London: F.A. Davis; 1895.

B alon R . Voyeurist d isorder. I n: B alon R , e ditor. Practical guide to paraphilia and paraphilic disorders. Cham: Springer; 2016. p. 63-75.

Aggrawal A. Forensic and medico-legal aspects of sexual crimes and unusual sexual practices. New York: CRC Press; 2009.

Associação Americana de Psiquiatria. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, 5ª edição (DSM-5). Porto Alegre: Artmed; 2014.

Långström N. The DSM diagnostic criteria for exhibitionism, voyeurism, and frotteurism. Arch Sex Behav. 2010;39:317-24.

Smith RS. Voyeurism: a review of literature. Arch Sex Behav. 1976;5:585-608.

Långström N, Seto MC. Exhibitionistic and voyeuristic behavior in a Swedish national population survey. Arch Sex Behav. 2006;35:427. 35.

Oliveira Júnior WM, Abdo CH. Unconventional sexual behaviors and their associations with physical, mental and sexual health parameters: a study in 18 large Brazilian cities. Rev Bras Psiquiatr. 2010;32:264-74.

Brasil, Presidência da República, Casa Civil. Decreto-Lei n° 3866, de 3 de outubro de 1941. Lei das contravenções penais [Internet]. [cited 2017 dec 06]. www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del3688.htm

Långström N, Hanson RK. High rates of sexual behavior in the general population: correlates and predictors. Arch Sex Behav. 2006;35:37-52.

Fedora O, Reddon JR, Morrison JW, Fedora SK, Pascoe H, Yeudall LT. Sadism and other paraphilias in normal controls and aggressive and nonaggressive sex offenders. Arch Sex Behav. 1992;21:1-15.

Baur E, Forsman M, Santtila P, Johansson A, Sandnabba K, Långström N. Paraphilic sexual interests and sexually coercive behavior: a population-based twin study. Arch Sex Behav. 2016;45:1163-72.

Downloads

Publicado

2017-12-29

Como Citar

1.
Schorr MT, Reichelt RR, Souza AMA de, Aragão BJ de M, Valério AG, Telles LE de B. Voyeurismo: relato de caso. Debates em Psiquiatria [Internet]. 29º de dezembro de 2017 [citado 14º de agosto de 2022];7(6):38-41. Disponível em: https://revistardp.org.br/revista/article/view/72

Edição

Seção

Relato de caso

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)