Será a psicanálise uma pseudociência? Reavaliando a doutrina utilizando uma lista de multicritérios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25118/2763-9037.2021.v11.58

Palavras-chave:

psicanálise, psicologia, ciência

Resumo

Introdução: A psicanálise já foi classificada como pseudociência no passado. Karl Popper foi um daqueles que traçou objeções à doutrina psicanalítica, usando do critério da falseabilidade. Entretanto, a falseabilidade não pode mais ser considerada suficiente para resolver o problema, já que implica em dificuldades consideráveis, e melhores alternativas para abordar a questão estão disponíveis. Objetivo: Este artigo tem por objetivo avaliar o status científico da psicanálise em relação ao problema da demarcação. Método: Para fazer isso, o critério de Sven Ove Hansson foi utilizado: este consiste em um conjunto de condições suficientes e necessárias, que é complementado com uma lista de multicritérios que auxiliam a identificar pseudociências. Foi analisado o quanto a psicanálise se encaixava em cada um dos sete itens da lista de Hansson, além de ser proposta a adição de um oitavo item. Resultados: Os resultados mostraram que a psicanálise era compatível com todos os oito itens da lista de demarcação de pseudociências. Conclusão: Ao final, a conclusão foi de que mesmo que a falseabilidade deva ser descartada, as evidências sugerem que ainda temos motivos suficientes para afirmar que a psicanálise é uma pseudociência, já que ela se distancia significativamente dos padrões de qualidade científicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Laplanche J, Pontalis J-B. Vocabulário da Psicanálise. 9ª ed. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1986.

Popper KR. Conjecturas e Refutações: O Progresso do Conhecimento Científico. 5ª ed. Brasília: UNB, 2008.

Grünbaum A. Popper's fundamental misdiagnosis of the scientific defects of Freudian psychoanalysis and of their bearing on the theory of demarcation. Psychoanal Psychol. 2008;25:574-89. https://doi.org/10.1037/a0013540

Cioffi F. Pseudoscience: the case of Freud's sexual etiology of the neuroses. In: Pigliucci M, Boudry M, editors. Philosophy of pseudoscience: reconsidering the demarcation problem. Chicago & London: University of Chicago Press; 2013. p. 321-40. https://doi.org/10.7208/chicago/9780226051826.003.0018

Newton-Smith WH. The Rationality of Science. London e New York: Routledge, 2003. https://doi.org/10.4324/9780203046159

Hansson SO. Disciplines, Doctrines, and Deviant Science. International Studies in the Philosophy of Science. 2020;33:43-52. https://doi.org/10.1080/02698595.2020.1831258

Hansson SO. Defining Pseudoscience and Science. In: Pigliucci M & Boudry M, editores. Philosophy of Pseudoscience: Reconsidering the Demarcation Problem. Chicago e London: The University of Chicago Press; 2013. p. 61-78. https://doi.org/10.7208/chicago/9780226051826.003.0005

Hansson SO. Vetenskap och ovetenskap. Stockholm: Tiden, 1983.

Crews F. Freud: The Making of an Illusion. New York: Metropolitan Books, 2017.

Buekens F, Boudry M. The Dark Side of the Loon. Explaining the Temptations of Obscurantism. Theoria. 2014;81:126-42. https://doi.org/10.1111/theo.12047

Dersken AA. The Seven Strategies of the Sophisticated Pseudo-Scientist: A Look into Freud's Rhetorical Tool Box. J Gen Philos Sci. 1993;32:329-50. https://doi.org/10.1023/A:1013100717113

Borch-Jacobsen M. Les patients de Freud: Destins. Auxerre: Science Humaines, 2011. https://doi.org/10.3917/sh.jacob.2011.01

Figueiredo LC. A Psicanálise e a clínica contemporânea. Contemporânea: Psicanálise e Transdisciplinaridade. 2009;15:9-17. http://www.revistacontemporanea.org.br/revistacontemporaneaanterior/site/wp-content/artigos/artigo202.pdf

Paris J. An Evidence-Based Critique of Contemporary Psychoanalysis: Research, Theory, and Clinical Practice. London e New York: Routledge, 2019. https://doi.org/10.4324/9780429020674

Schmidt S. Shall we Really do it Again? The Powerful Concept of Replication is Neglected in the Social Sciences. Rev Gen Psychol. 2009;13:90-100. https://doi.org/10.1037/a0015108

Kahneman D. Thinking, Fast and Slow. New York: Farrar, Straus and Giroux, 2011.

Spence DP. Dangers of Anecdotal Reports. J Clin Psychol. 2001;57:37-41. https://doi.org/10.1002/1097-4679(200101)57:1<37::AID-JCLP5>3.0.CO;2-S

Callegaro MM. O Novo Inconsciente: Como a Terapia Cognitiva e as Neurociências Revolucionaram o Modelo do Processamento Mental. Porto Alegre: Artmed, 2011.

Ramus F. What's the point of neuropsychoanalysis?. Br J Psychiatry. 2013;203:170-1. https://doi.org/10.1192/bjp.bp.113.127217 PMid:23999480

Bastos LADM. Psicanálise baseada em evidências?. Physis. 2002;12:391-408. https://doi.org/10.1590/S0103-73312002000200011

Guerra AMC. Psicanálise e Produção Científica. In: Neto FK & Moreira JO, organizadores. Pesquisa em Psicanálise: Transmissão na Universidade. Barbacena: EdUEMG; 2010. p. 130-145.

Lage SFL. Dilthey e Freud: A psicanálise frente à epistemologia das ciências do espírito [dissertação]. Rio de Janeiro: Repositório Maxwell; 2003. https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.4047

Neves TI. A Cura em Psicanálise como Potência Política de Transformação [tese]. Recife: Universidade Católica de Pernambuco; 2018. http://tede2.unicap.br:8080/handle/tede/995

Dunker CIL, Peron PR. Usos e sentidos da cura na psicanálise de Freud. Percurso. 2002;83-9.

Neves TI, Lopes AM, Moraes TCB. Reintroduzindo o sintoma: a psicanálise como obstáculo à cientificização do tratamento psíquico. Estud. Pesqui. Psicol. 2013;13:237-53. https://doi.org/10.12957/epp.2013.7934

Fink B. The Lacanian Subject: Between Language and Jouissance. Princeton, New Jersey: Princeton University Press, 1995. https://doi.org/10.1515/9781400885671

Sgarioni MM, D'Agord MRL. Ciência, verdade e saber na sociedade moderna: uma perspectiva psicanalítica. Clín Cult. 2013;2:3-15. https://seer.ufs.br/index.php/clinicaecultura/article/view/926

Fearon RMP, Roisman GI. Attachment theory: Progress and future directions. Curr Opin Psychol. 2017;15:131-6. https://doi.org/10.1016/j.copsyc.2017.03.002 PMid:28813253

Leichsenring F, Rabung S. Effectiveness of long-term psychodynamic psychotherapy: A meta-analysis. JAMA. 2008;300:1551-65. https://doi.org/10.1001/jama.300.13.1551 PMid:18827212

Littell JH, Shlonsky A. Making Sense of Meta-Analysis: A Critique of "Effectiveness of Long-Term Psychodynamic Psychotherapy". Clin Soc Work J. 2010;39:340-6. https://doi.org/10.1007/s10615-010-0308-z

Fonagy P. An open door review of outcome studies in psychoanalysis. International Psychoanalytical Association, 2002. [citado 26 Jan 2021]. https://www.ipa.world/ipa/IPA_Docs/Open%20Door%202002.pdf

Dragioti E, Karathanos V, Gerdle B, Evangelou E. Does psychotherapy work? An umbrella review of meta-analyses of randomized controlled trials. Acta Psychiatr Scand. 2017;136:236-46. https://doi.org/10.1111/acps.12713 PMid:28240781

Hobson A. Psychodynamic Neurology: Dreams, Consciousness, and Virtual Reality. Boston, Massachusetts, USA: CRC Press, 2015. https://doi.org/10.1201/b17676

Rofé Y. Does repression exist? Memory, pathogenic, unconscious and clinical evidence. Rev Gen Psychol. 2008;12:63-85. https://doi.org/10.1037/1089-2680.12.1.63

Horwitz AV, Widom CS, Mclaughlin J, White HR. The Impact of Childhood Abuse and Neglect on Adult Mental Health: A Prospective Study. J Health Soc Behav. 2001;42:184-201. https://doi.org/10.2307/3090177

Rillaer JV. Os Benefícios da Psicanálise. In: Meyer C, organizadora. O Livro Negro da Psicanálise. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2014. p. 147-162.

Grant DC, Harari E. Psychoanalysis, Science and the Seductive Theory of Karl Popper. Aust N Z J Psychiatry. 2005;39:446-52. https://doi.org/10.1080/j.1440-1614.2005.01602.x PMid:15943645

Boudry M, Buekens F. The Epistemic Predicament of a Pseudoscience: Social Constructivism Confronts Freudian Psychoanalysis. Theoria. 2011;77:159-79. https://doi.org/10.1111/j.1755-2567.2011.01098.x

Frosh S. For and Against Psychoanalysis. London e New York: Routledge, 2006.

Borch-Jacobsen M. Uma Teoria Zero. In: Meyer C, organizadora. O Livro Negro da Psicanálise. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2014. p. 137-142.

Priszkulnik L. Prevenção: saúde mental e psicanálise. Proceedings of the 7th Formação de Profissionais e a Criança-Sujeito. LEPSI IP/FE-USP, 2009. http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000032008000100002&script=sci_arttext

Nasio J-D. Como trabalha um psicanalista? Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

Neves TI. O universalismo da cura em Freud. Ágora (Rio J. Online). 2020;23:21-9. https://doi.org/10.1590/1809-44142020001003

Safatle V. O circuito dos afetos. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

Lacan J. The Seminar of Jacques Lacan: Book III, The Psychoses. Miller J, editor. New York and London: W. W. Norton, 1997.

Fontes FF. A crítica à psicanálise: Um capítulo censurado? Psicol rev. 2014;20:446-59. https://doi.org/10.5752/P.1678-9523.2014V20N3P446

Clifford WK. A Ética da Crença. In: Murcho D, organizador. A Ética da Crença. Lisboa: Bizâncio, 2010. p. 97-136.

Publicado

2021-09-13

Como Citar

1.
Ferreira C de MC. Será a psicanálise uma pseudociência? Reavaliando a doutrina utilizando uma lista de multicritérios. Debates em Psiquiatria [Internet]. 13º de setembro de 2021 [citado 8º de dezembro de 2021];11:1-33. Disponível em: https://revistardp.org.br/revista/article/view/58