Sintomas de ansiedade em adultos jovens: a atuação do profissional de psicologia na atenção básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25118/2763-9037.2022.v12.314

Palavras-chave:

ansiedade, adulto jovem, atenção básica, psicologia

Resumo

No sistema público de Saúde do Brasil, a atenção básica é a porta de entrada dos usuários. Por conseguinte, a atuação da Psicologia neste espaço tem sido requisitada para o cuidado do adoecimento psíquico, além disso, o fazer psicológico é apoiado por um modelo baseado na clínica ampliada, visando à integralidade do usuário. Destaca-se a importância da Psicologia da Saúde, área que busca compreender como os fatores biológicos, comportamentais e sociais influenciam no processo saúde-doença. Na Atenção Básica, os transtornos de ansiedade têm ocupado os primeiros lugares nas demandas por atendimento em saúde mental, dentre as quais, o adulto jovem se destaca. Para entender essa problemática, este artigo objetiva compreender como se estabelece a atuação do profissional da psicologia junto ao adulto jovem com sintomas ansiosos na Atenção Básica. Nesse estudo utilizou-se a abordagem qualitativa, com características descritiva e exploratória. Para pesquisa de revisão de literatura do tipo análise integrativa, o método de análise dos dados escolhido foi a análise do conteúdo. Como resultado, compreende-se que a ação do psicólogo pode ocorrer no território onde as relações se estabelecem por meio da utilização da clínica ampliada como ferramenta nesta prática e de ações de promoção, prevenção e educação em saúde, com intervenções interdisciplinares em parceria com a comunidade. Mesmo com mudanças ocorridas no NASF, reitera-se a importância do psicólogo ocupar e valorizar sua atuação na atenção básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

American Psychiatric Association. DSM-5: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed; 2014. http://www.institutopebioetica.com.br/documentos/manual-diagnostico-e-estatistico-de-transtornos-mentais-dsm-5.pdf

Organização Mundial de Saúde (OMS). Depression and other common mental disorders: global health estimates. 2017. http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/254610/1/WHO- MSD-MER-2017

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 648, de 28 de março de 2006. Dispõe sobre a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa da Saúde da Família (PSF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (Pacs). Diário Oficial da União. 2006. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0648_28_03_2006_comp.html

Gonçalves JP. Ciclo vital: início, desenvolvimento e fim da vida humana possíveis contribuições para educadores. Revista Contexto & Educação. 2021;31(98):79-110. https://doi.org/10.21527/2179-1309.2016.98.79-110

Miyazaki MCOS, Domingos NAM, Caballo VE. Psicologia da saúde: intervenções em hospitais públicos. In: Rangé B, organizador. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. Porto Alegre: ArtMed; 2001.

Lidz T. A pessoa e seu desenvolvimento durante o ciclo vital. Artes Médicas: Porto Alegre;1983.

Bee H. O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997.

Bock AMB, Furtado O, Teixeira MLT. Psicologias uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Editora Saraiva; 2001.

Papalia DE; Feldman RD, Martorell G. Desenvolvimento humano. 12ª ed. Porto Alegre: AMGH; 2013.

Erikson EH. Identidade: juventude e crise. Rio de Janeiro: Guanabara; 1987.

Vasconcelos AD, Faria JH. Saúde mental no trabalho: contradições e limites. Psicologia & Sociedade. 2008;20(3):453-64. https://doi.org/10.1590/s0102-71822008000300016

Pereira-Lima K, Loureiro SR, Crippa JA. Mental health in medical residents: relationship with personal, work-related, and sociodemographic variables. Revista Brasileira de Psiquiatria. 2016;38(4):318-24. https://doi.org/10.1590/1516-4446-2015-1882 - PMid:27192216 - PMCid:PMC7111348

Costa CO, Branco JC, Vieira IS, Souza LD, Silva RA. Prevalência de ansiedade e fatores associados em adultos. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. 2019;68(2):92-100. https://doi.org/10.1590/0047-2085000000232

Dalgalarrondo P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2019.

Muotri RW, Nunes RP, Bernik MA. Exercício aeróbio como terapia de exposição a estímulos interoceptivos no tratamento do transtorno de pânico. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2007;13(5):327-30. https://doi.org/10.1590/s1517-86922007000500009

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental, Departamento de Ações. Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_34_saude_mental.pdf

Organização Mundial de Saúde (OMS). Integração da saúde mental nos cuidados de saúde primários: uma perspectiva global. 2009. http://www.who.int/eportuguese/publications/Integracao_saude_mental_cuidados_pri marios.pdf Accessed: 4 out. 2020.

Pedrosa KM, Couto G, Luchesse R. Intervenção cognitivo-comportamental em grupo para ansiedade: avaliação de resultados na atenção primária. Psicologia. Teoria e Prática. 2017;19(3):43-56. https://doi.org/10.5935/1980-6906/psicologia.v19n3p43-56

Motta CC, Moré CL, Nunes CH. O atendimento psicológico ao paciente com diagnóstico de depressão na Atenção Básica. Ciência & Saúde Coletiva. 2017;22(3):911-20. https://doi.org/10.1590/1413-81232017223.27982015 - PMid:28300998

Böing E, Crepaldi MA. O psicólogo na atenção básica: uma incursão pelas políticas públicas de saúde brasileiras. Psicologia: Ciência e Profissão. 2010;30(3):634-49. https://doi.org/10.1590/s1414-98932010000300014

American Psychological Association (APA). 2003. http://www.health-psych.org/ Accessed: 16 fev. 2021.

Campos GW, Figueiredo MD, Pereira Júnior N, Castro CP. A aplicação da metodologia Paideia no apoio institucional, no apoio matricial e na clínica ampliada. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2014;18(suppl 1):983-95. https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0324

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Política Nacional de Humanização. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2ª ed. Brasília: 2008. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_equipe_referencia_2ed_2008.pdf

Chiaverini DH, Gonçalves DA, Ballester D, Tófoli F, Chazan LF, Almeida N, Fortes S. Guia prático de matriciamento em saúde mental. Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_matriciamento_saudemental.pdf

Brasil. Nota Técnica Nº 3/2020-DESF/SAPS/MS, de 28 de janeiro de 2020. Dispõe sobre o Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB) e o Programa Previne Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primária à Saúde Departamento de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2020. https://www.conasems.org.br/wp-content/uploads/2020/01/NT-NASF-AB-e-Previne-Brasil-1.pdf

Mota B. O fim do modelo multiprofissional na saúde da família. 2020. http://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/reportagem/o-fim-do-modelo-multiprofissional-na-saude-da-familia . Accessed: 19 dez. 2020.

Donker T, Griffiths KM, Cuijpers P, Christensen H. Psychoeducation for depression, anxiety and psychological distress: a meta-analysis. BMC Medicine. 2009;7(1):7-79. https://doi.org/10.1186/1741-7015-7-79 - PMid:20015347 PMCid:PMC2805686

Casañas R, Catalán R, del Val JL, Real J, Valero S, Casas M. Effectiveness of a psycho-educational group program for major depression in primary care: a randomized controlled trial. BMC Psychiatry. 2012;12(1):12-230. https://doi.org/10.1186/1471-244x-12-230 - PMid:23249399 - PMCid:PMC3551665

Minayo MCZ. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes; 2001.

Crossetti MD. Revisão integrativa de pesquisa na enfermagem o rigor científico que lhe é exigido. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2012;33(2):8-9. https://doi.org/10.1590/s1983-14472012000200001 - PMid:23155575

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2002.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Sundfeld AC. Clínica ampliada na atenção básica e processos de subjetivação: relato de uma experiência. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2010;20(4):1079-97. https://doi.org/10.1590/s0103-73312010000400002

Santos RA, Uchôa-Figueiredo LD, Lima LC. Apoio matricial e ações na atenção primária: experiência de profissionais de ESF e Nasf. Saúde em Debate. 2017;41(114):694-706. https://doi.org/10.1590/0103-1104201711402

Rodrigues ME, Silveira TB, Jansen K, Cruzeiro AL, Ores L, Pinheiro RT, Silva RA, Tomasi E, Souza LD. Risco de suicídio em jovens com transtornos de ansiedade: estudo de base populacional. Psico-USF. 2012;17(1):53-62. https://doi.org/10.1590/s1413-82712012000100007

Souza LP, Barbosa BB, Silva CS, Souza AG, Ferreira TN, Siqueira LD. Prevalência de transtornos mentais comuns em adultos no contexto da atenção primária à saúde. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental. 2017;(18):59-66. https://doi.org/10.19131/rpesm.0193

Lopes KS, Ceruti BQ, Dalbello-Araujo M. A atuação do psicólogo na promoção da saúde. Psicologia: Teoria e Prática. 2010;12(1):181-196. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=193814418015

Dimenstein M, Macedo JP. Formação em Psicologia: requisitos para atuação na atenção primária e psicossocial. Psicologia: Ciência e Profissão. 2012;32(spe):232-45. https://doi.org/10.1590/s1414-98932012000500017

Jimenez L. Psicologia na Atenção Básica à Saúde: demanda, território e integralidade. Psicologia & Sociedade. 2011;23(spe):129-39. https://doi.org/10.1590/s0102-71822011000400016

Alexandre MD, Romagnoli RC. Prática do Psicólogo na Atenção Básica - SUS: conexões com a clínica no território. Contextos Clínicos. 2017;10(2). https://doi.org/10.4013/ctc.2017.102.12

Alves RF, Ernesto MV, Silva RP, Souza FM, Lima AG, Eulálio MC. Psicologia da saúde: abrangência e diversidade teórica. Mudanças. Psicologia da Saúde. 2011;19(1-2):1-10. https://doi.org/10.15603/2176-1019/mud.v19n1-2p1-10

Nepomuceno LB, Brandão IR. Psicólogos na Estratégia Saúde da Família: caminhos percorridos e desafios a superar. Psicologia: Ciência e Profissão. 2011;31(4):762-777. https://doi:10.1590/S1414-98932011000400008

ansiedade

Downloads

Publicado

2022-10-25

Como Citar

1.
Almeida WRS, Medeiros SC, Souza FM, Dourado JLG, Silva AR. Sintomas de ansiedade em adultos jovens: a atuação do profissional de psicologia na atenção básica. Debates em Psiquiatria [Internet]. 25º de outubro de 2022 [citado 7º de dezembro de 2022];12:1-22. Disponível em: https://revistardp.org.br/revista/article/view/314

Edição

Seção

Artigos de Revisão

Plaudit