Posicionamento oficial da Associação Brasileira de Psiquiatria relativo ao uso da cannabis em tratamentos psiquiátricos

Autores

  • Antônio Geraldo da Silva Presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Faculdade de Medicina, Universidade do Porto, Porto, Portugal. Pós-doutorando em Medicina Molecular, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3423-7076
  • Leonardo Rodrigo Baldaçara Diretor Regional Centro-Oeste e Coordenador da Comissão de Emergências Psiquiátricas da Associação Brasileira de Psiquiatria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Universidade Federal do Tocantins, UFT, Palmas, TO, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.25118/2763-9037.2022.v12.393

Palavras-chave:

cannabis, tratamento psiquiátrico, canabidiol

Resumo

Questão:

Tendo em vista as diversas pesquisas realizadas no Brasil e em todo o mundo que tentam descobrir se realmente há eficácia no uso de canabidiol (CBD) no tratamento de diversas doenças, a Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP publica seu posicionamento oficial a respeito do assunto.

Posição da ABP:

1- Não há evidências científicas suficientes que justifiquem o uso de nenhum dos derivados da cannabis no tratamento de doenças mentais. Em contrapartida, diversos estudos associam o uso e abuso de cannabis, bem como de outras substâncias psicoativas, ao desenvolvimento e agravamento de doenças mentais.1-6

2- O uso e abuso das substâncias psicoativas presentes na cannabis causam dependência química, podem desencadear quadros psiquiátricos e, ainda, piorar os sintomas de doenças mentais já diagnosticadas. Esse é o caso da esquizofrenia - estima-se que o risco para desenvolvimento da doença seja quatro vezes maior e o uso de cannabis piora o prognóstico da doença. O uso de cannabis também está associado à alteração basal de humor, à depressão, ao transtorno bipolar, aos transtornos de ansiedade, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e à ideação suicida.1,4,7-9

3- As pesquisas sobre o CBD devem continuar, mas os estudos sobre os efeitos colaterais e a probabilidade de dependência também devem ser realizados e intensificados.4,9

4- Alguns veículos midiáticos brasileiros têm endossado estudos sobre os possíveis "benefícios" da cannabis, corroborando para interpretações equivocadas e contribuindo para a impressão de que a maconha é um produto totalmente seguro e inofensivo para o consumo, sobretudo pelos mais jovens.1,9 Essa "publicidade" positiva remete à época em que os cigarros eram comercializados com chancela da mídia e até mesmo de parte da comunidade médica para atender interesses financeiros.

5- No Brasil, o Conselho Federal de Medicina - CFM autoriza o uso compassivo do CBD apenas para crianças e adolescentes com epilepsia de difícil tratamento, por meio da Resolução nº 2.113 de 2014.10

6- Assim como a ABP, a Associação Americana de Psiquiatria (em inglês, American Psychiatric Association - APA)6 não endossa o uso da cannabis para fins medicinais. Um dos trechos do documento produzido pela APA diz que "não há evidências científicas atuais de que a cannabis seja benéfica para o tratamento de qualquer transtorno psiquiátrico. Em contraste, as evidências atuais apoiam, no mínimo, uma forte associação do uso de cannabis com o aparecimento de transtornos psiquiátricos.6 Os adolescentes são particularmente vulneráveis ​​a danos, devido aos efeitos da cannabis no desenvolvimento neurológico."1

7- O tratamento de qualquer doença deve ser realizado baseado em evidências científicas e os médicos que receitam o uso da cannabis para fins medicinais devem ter plena consciência dos riscos e responsabilidades inerentes à prescrição.4

8- Não há nenhuma evidência científica convincente de que o uso de canabidiol ou quaisquer dos canabinoides possam ter qualquer efeito terapêutico para qualquer transtorno mental. Importante salientar que não vem ao caso se uma substância é sintética ou natural, sem ensaios clínicos bem desenhados não se pode indicar qualquer substância para o tratamento de qualquer doença.2,4

9- A ABP apoia todas as linhas de pesquisas científicas para a busca de novas soluções para doenças sem tratamento, desde que obedeça todos os regramentos relativos às pesquisas científicas. 

10- A ABP após avaliação criteriosa, tendo em vista os diversos prejuízos destacados, no momento, não apoia o uso da cannabis e de seus derivados com fins medicinais na área de Psiquiatria, nem apoia seu uso para fins recreativos.

É importante ter em mente que não há nenhum registro em nenhuma agência reguladora internacional de nenhum canabinoide para tratamento de nenhuma doença psiquiátrica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Gobbi G, Atkin T, Zytynski T, Wang S, Askari S, Boruff J, Ware M, Marmorstein N, Cipriani A, Dendukuri N, Mayo N. Association of Cannabis Use in Adolescence and Risk of Depression, Anxiety, and Suicidality in Young Adulthood: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Psychiatry 2019;76:426-34. https://doi.org/10.1001/jamapsychiatry.2018.4500 - PMid:30758486 PMCid:PMC6450286

Kirkland AE, Fadus MC, Gruber SA, Gray KM, Wilens TE, Squeglia LM. A scoping review of the use of cannabidiol in psychiatric disorders. Psychiatry Res 2022;308:114347. https://doi.org/10.1016/j.psychres.2021.114347 - PMid:34952255

Kopelli E, Samara M, Siargkas A, Goulas A, Papazisis G, Chourdakis M. The role of cannabidiol oil in schizophrenia treatment. a systematic review and meta-analysis. Psychiatry Res. 2020;291: 113246. https://doi.org/10.1016/j.psychres.2020.113246 - PMid:32599446

Black N, Stockings E, Campbell G, Tran LT, Zagic D, Hall WD, Farrell M, Degenhardt L. Cannabinoids for the treatment of mental disorders and symptoms of mental disorders: a systematic review and meta-analysis. Lancet Psychiatry. 2019;6: 995-1010. https://doi.org/10.1016/S2215-0366(19)30401-8

Meier MH, Caspi A, Knodt AR, Hall W, Ambler A, Harrington H, Hogan S, Houts RM, Poulton R, Ramrakha S, Hariri AR, Moffitt TE. Long-Term Cannabis Use and Cognitive Reserves and Hippocampal Volume in Midlife. Am J Psychiatry 2022;179:362-74. https://doi.org/10.1176/appi.ajp.2021.21060664 - PMid:35255711

American Psychiatric Association. Position Statement in Opposition to Cannabis as Medicine. 2019. https://www.psychiatry.org/File%20Library/About-APA/Organization-Documents-Policies/Policies/Position-Cannabis-as-Medicine.pdf

Guinguis R, Ruiz MI, Rada G. Is cannabidiol an effective treatment for schizophrenia? Medwave 2017;17:e7010. https://doi.org/10.5867/medwave.2017.07.7010 - PMid:28820868

McLoughlin BC, Pushpa-Rajah JA, Gillies D, et al. Cannabis and schizophrenia. Cochrane Database Syst Rev 2014:CD004837. https://doi.org/10.1002/14651858.CD004837.pub3 PMid:25314586

Paul SE, Hatoum AS, Fine JD, Johnson EC, Hansen I, Karcher NR, Moreau AL, Bondy E, Yueyue Qu; Carter EB, Rogers CE, Arpana Agrawal A, Barch DM, Bogdan R. Associations Between Prenatal Cannabis Exposure and Childhood Outcomes: Results From the ABCD Study. JAMA Psychiatry 2021;78:64-76. https://doi.org/10.1001/jamapsychiatry.2020.2902 - PMid:32965490 PMCid:PMC7512132

Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM Nº 2.113/2014. Aprova o uso compassivo do canabidiol para o tratamento de epilepsias da criança e do adolescente refratárias aos tratamentos convencionais. 2014. https://portal.cfm.org.br/canabidiol/protocolos.php

Downloads

Publicado

2022-07-25

Como Citar

1.
Silva AG da, Baldaçara LR. Posicionamento oficial da Associação Brasileira de Psiquiatria relativo ao uso da cannabis em tratamentos psiquiátricos. Debates em Psiquiatria [Internet]. 25º de julho de 2022 [citado 7º de dezembro de 2022];12. Disponível em: https://revistardp.org.br/revista/article/view/393

Edição

Seção

Editorial

Plaudit

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 8 > >>